quinta-feira , 23 fevereiro 2017
Home / Cultura / Capelinhense centenária: Dona Dionísia faz 101 anos nesta quarta-feira, 4 de janeiro

Capelinhense centenária: Dona Dionísia faz 101 anos nesta quarta-feira, 4 de janeiro

Ela é uma guerreira, se impõe frente a vida e sorri. Dona Dionísia, a capelinhense centenária, completa 101 anos nesta quarta-feira, 4 de janeiro. Releia matéria publicada no Jornal Local quando ele completou um século de vida

– Rosa Santos –

100-anos-de-dona-dionisia-de-resplendor-dia-3-de-janeiro-falar-com-familiares-de-jaci-de-miltinho-22

Apenas três anos após Capelinha ser fundada, nasceu, em Poté, a menina Dionísia Lemos da Silva. Aos 12 anos, ela se mudou para Capelinha, deixou pais e irmãos e foi morar na casa de Dr. Aloísio Pimenta, pai do médico Hilton Pimenta, de onde saiu casada com Vicente Fernandes da Silva. E, desde então, acompanha e participa da vida de Capelinha. Dona Dionísia, que nasceu em 1916, já conta um centenário de anos (neste 4 de janeiro de 2017, ela completa 101). Já Capelinha, a cidade que ela viu crescer fará 104 no dia 24 de fevereiro.

Hoje a centenária mora em Resplendor, povoado que mistura moradores de Capelinha e de Água Boa, mas também viveu, com marido e filhos, na região da Ponte Velha e do Espigão. Dos oitos filhos (sete naturais e uma adotiva), enterrou três, e ela aponta estes fatos como os piores de sua vida. “Uma mãe sente muito quando perde um filho, não tem coisa pior”, decreta a senhora que, do alto dos seus 100 anos, às vezes é traída pela memória, mas na maior parte do tempo esbanja lucidez e saúde de ferro. Rara frequentadora de médicos na maior parte dos anos, Dona Dionísia conta que comer frutas é um dos segredos para a boa saúde. Dona Dionísia é a matriarca de um clã formado ainda por 30 netos e 16 bisnetos. Cida, a filha do coração, criada por ela desde os três anos, é seu braço direito, seus olhos, sua guia. “Ela faz tudo por mim, parece que adivinha as coisas”, elogia.

Na adolescência, conviveu com Nonô Pimenta, antigo fazendeiro de Capelinha, e lembra que ele “sempre tinha problema com os índios”, referindo-se às investidas indígenas contra os primeiros moradores da cidade. Puxa na memória o nome Aranãs, e lembra que viveu também no Córrego Manuel Luiz Pêgo, terra onde morava o fundador de Capelinha, nascedouro do Córrego Areão.

De vida sofrida, trabalhadora do lar, esposa, mãe, avó, bisavó. Quanta vivência Dona Dionísia carrega em seu corpo franzino, mas que não esconde a mulher guerreira, honesta, honrada, vivida. Ao citar o desenvolvimento da cidade, com quem divide o fato de ser centenária, ela se espanta: “Tudo mudado, derrubaram a casa que eu morei, queria voltar a morar em Capelinha”.

Dona Dionísia não se recorda de outro parente que tenha vivido 100 anos (agora 101), e quando perguntada se mantém um antigo costume de “tomar uma pinguinha para abrir o apetite”, ela não nega: “Durante muitos anos eu tomei, era escondido do meu marido”, e sorri. Depois completa: “Mas agora não bebo mais, só mesmo café”.

Abaixo, imagens do aniversário de 100 anos, em janeiro do ano passado. Fotos: arquivo familiar

100-anos-de-dona-dionisia-de-resplendor-dia-3-de-janeiro-falar-com-familiares-de-jaci-de-miltinho

 

100-anos-de-dona-dionisia-na-igreja 100-anos-de-dona-dionisia-bolo 100-anos-dona-dionisia-e-filhos

Veja Também

Consep logo

Capelinha terá Conselho Comunitário de Segurança Pública

Criação do Consep será discutida dia 14 em reunião da Rede de Vizinhos Protegidos. Evento ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *